quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Introdução (Parte 2)

Comecei o ano de 2007 me achando a “bolacha do pacote” com a alto estima lá em cima, eu na verdade nunca fui assim, mas afinal eu tinha pegado o resultado negativo e não podia mas me esconder em medos. Para mim na época ler o tal do “Reagente” significava ser infeliz e ter que abrir mão dos meus sonhos.

Conheci muitas homens, sai muito e vacilei também, não dei ouvidos a campanhas, estudos ou até conselhos de pai, que por acaso é especialista em aids e o pior é que depois de passar sete anos sofrendo por uma dúvida estava eu lá de novo errando mais uma vez ,achando que se eu tinha me safado daquelas todas eu jamais iria dar azar de novo, as vezes eu me pergunto onde eu estava com a cabeça? , más foi como eu falei lá no começo dá história, a vida é muito engraçada em sete anos vacilando com estranhos eu dei a sorte e não tive nada, quando eu me apaixono e resolvo me entregar ai à história começa a ficar diferente, Para você ver, tinha amor na história mas não é por isso que ela vai dar certo no final não acha?.

Eu chegava no interior meio de julho, essa época aqui é muito frio, pode acreditar, tenho que usar casacos e mais casacos porque se não eu não agüento.Aproveitei esse tempo que estava aqui pra tirar minha carteira de motorista e estagiar em algum lugar, tentar tirar proveito desse tempo que estava fora pra aprender alguma coisa. Depois que entrei na faculdade fiquei assim com sede de ganhar dinheiro, não via a hora de ficar independente.

Cabei ficando aqui e levando a vida, saindo com amigos, estagiando comecei até fazer um curso da minha área.

È chegado agosto, e com ele aqui começava a vir o calor na cidade, eu não passava tanto frio mais no meu dia, já não eram mais aquelas chuvas, apenas nas noites o que era agradável.

Certo dia eu acordei muito mal, com dor no corpo e muito frio, para mim eu tava com a garganta inflamada, nada de surpresa pra mim não até porque nessas épocas de frio eu sempre ficava assim.

Dessa vez foi diferente, mais em nenhum momento na minha cabeça eu achava que era HIV, até porque eu nunca me senti tão bem na minha vida. era popular em minha faculdade, estava bem comigo e com meus amigos e família.

Eu não ficava bem de jeito nenhum, os remédios não faziam muito efeito, cada dia eu tinha uma coisa diferente, eu sentia que meu corpo não estava mais como antes, meu pai não entendia o porque os remédios não faziam muito efeito, afinal eu nunca melhorava, dias depois ele me veio perguntando se eu tinha transando sem camisinha, eu neguei, só que eu menti.

A partir daí começaram maratonas de dias piores, dias quais serão inesquecíveis na minha vida.

Hoje divido a minha história em antes do “Não Reagente” e depois do “Reagente”.

2 comentários:

papowebbr disse...

interessante sua história de vida, vou aguardar a continuação, torço por vc, muita paz pra vc

Sou ... disse...

É incrivel como as historias em momentos se coisidem, espero que de continuidade nas postagens.